Sobre Marighella

Marighela, baiano de Salvador, nasceu no dia 05 de novembro de 1911. Morreu, assassinado pela repressão, sob as ordens do facínora Fleury, na cidade de São Paulo, em 04 de novembro de 1969. Portanto, no próximo dia 5 de novembro de 2011 comemoramos o centenário do seu nascimento.

Marighela foi um grande quadro da esquerda brasileira, era uma grande figura humana, duro sem perder a ternura, presença marcante na história do bravo Partido Comunista do Brasil, um exemplo de militante comunista.

Ele ingressou nas fileiras do PCdoB nos anos 30 do século passado, participou ativamente da vida política do país, era consciente de suas responsabilidades como militante comunista, não media sacrifícios para cumprir as tarefas do partido, era um militante disciplinado, tinha uma visão crítica do partido, mesmo seguindo o centralismo democrático, regra fundamental de uma organização revolucionaria.

Quando discordou da linha política do partido, rompeu e procurou forma a sua organização revolucionaria, partindo para a ação armada. Era um bravo militante.

Marighella viveu os períodos duro de clandestinidade em que o partido foi submetido, períodos de repressão aos comunistas, períodos heróicos da nossa luta, da nossa história. No curto tempo de legalidade do PCdoB, Marighella, em 1945, foi eleito deputado constituinte, foi um brilhante parlamentar.

Ele era um estudioso do marxismo e da obra de Lênin, ligado à cultura e as artes, principalmente a dramaturgia, um líder nato era, também, poeta.

Estudante do curso de engenharia teve que deixar a faculdade para se dedicar à luta do PCdoB, militante ativo, participa, a partir de 1935, de todas as movimentações políticas do partido, é preso mais de uma vez, mesmo assim, continua firme nas suas convicções, morre em ação.

Ana Montenegro, sua amiga e companheira de partido desde 1945, sintetizou a personalidade de Marighella dizendo: “Ele era um homem de uma inteligência privilegiada, mas que não sufocava os demais. Uma inteligência horizontal, abrindo espaço para que todos pudessem opinar, contribuir e participar. Escutava as opiniões e as respeitava. É verdade que sua personalidade se nos impunha, muitas vezes, porque o admirávamos. Era eclético, não se limitava às discussões políticas. Gostava de todas as manifestações artísticas. Escrevia poemas e peças de teatro. Ensinava como se estivesse aprendendo. Não dava ordens e nem se apresentava com idéias acabadas. Aparecia, sim, com idéias arrojadas, audaciosas era um verdadeiro revolucionário.”

No dia 04 de novembro de 2011 completa 42 anos do assassinato de Marighella e no dia 5 comemoramos o centenário do nascimento desse bravo brasileiro.

Marighella morreu na militância, combatendo as injustiças, sonhando os sonhos possíveis, acreditando no socialismo e na humanidade. Seu companheiro de partido, colega na constituinte de 1946, grande amigo e conterrâneo da Bahia, o escritor Jorge Amada, em discurso no sepultamento de Marighella, disse: “Retiro da maldição e do silêncio, e aqui inscrevo seu nome de baiano: Carlos Marighella”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: